terça-feira, 3 de setembro de 2013

Vão

Eles vão.
Simplesmente em vão.
O que querem com isso?
Cadê a razão?
Dizem-se simples, mas esquecem-se da beleza das auroras,
Do canto dos rouxinóis,
Do sol nascendo e do barulho das marés nos nossos pés.
Onde estão?
Em vão?
Sorrir com outro sorriso,
Acalentar-se ao calor de um corpo,
Ver a gentileza escondida na sarjeta,
Ser você,
Pra você.
Por você.
E onde eles estão?
Caminhando na rua dos números,
Esquecendo a vida morna,
E eles vão.
Em vão.
Sem razão.
Viver em vão.
Morrer sem razão.

Raphaela Barreto.

5 comentários:

  1. Querida amiga

    Quando a alma tem fome de beleza,
    chegar aqui,
    sentir as palavras e o seu perfume,
    é encontrar o doce alimento da
    alegria...
    Alimento que me renova as energias,
    quando muito já silenciou pelos caminhos...

    A amizade é o alimento da esperança.

    ResponderExcluir
  2. Adorei o post, o jogo de palavras. FIcou ótimo! Beijosss

    ResponderExcluir
  3. "Sorrir com outro sorriso,
    Acalentar-se ao calor de um corpo,
    Ver a gentileza escondida na sarjeta, " esses seus versos são emoção pura

    ResponderExcluir
  4. Esperto jogo de palavras. Gosto dessa nostalgia de poema simples, ingênuo. Traz uma leveza que completa os pedaços conturbados da poesia agressiva.


    Te aguardo lá
    diademegalomania.blogspot.com
    abraços

    ResponderExcluir
  5. Oi flor! Desculpa a demora para vir aqui retribuir sua visita ao meu blog. Eu estava no fim de minha gravidez e numa correria só... e agora que nasceu minha bebê, fiquei com menos tempo ainda.. rsrs Mas sempre que eu puder, passarei por aqui! Beijinhos!!

    ResponderExcluir